Pular para o conteúdo principal

Pré-requisitos para um passeio com um gato seguro e confiante!

Bem, se vc acredita que algum de seus gatos vai curtir o passeio, encontrou um lugar bacana pra levá-lo, verificou que ele está com as vacinas e vermífugos em dia, e crê que terá tempo e paciência para o “treinamento”, então vamos para a próxima etapa: escolher um peitoral adequado. (Leia nossos posts anteriores sobre o assunto: Passeio com gatos, sim ou não? e O que envolve levar meu gato pra passear? ).

Certamente você já ouviu alguém dizer: meu gato “trava” quando coloco a coleira! E isso é a mais pura verdade. Isto acontece tanto porque o gato não está acostumado com o uso do peitoral quanto pelo uso de coleiras e peitorais inadequados. Você deve escolher peitorais desenvolvidos para felinos. A anatomia dos bichanos é diferente da de um cão e os peitorais que normalmente encontramos por ai não levam isto em consideração e acabam sendo incômodos e inseguros para nossos amigos gatunos. Se quiser ver os nossos peitorais para gatos clique aqui.



Assim que você tiver escolhido o peitoral, você deve acostumar seu gato com o uso DENTRO DE CASA! Veja como fazer isso:

- Coloque o peitoral sem a guia, certificando-se que não esteja nem muito frouxo (ele pode escapar) nem muito apertado (pode machucar) e reforce de forma positiva o uso do peitoral com petiscos e carinho.
- Estimule seu peludo a andar com o peitoral, oferecendo petiscos em um lugar cada vez mais distante do gatinho para que ele entenda que pode se movimentar e que se andar vai ganhar prêmio.
- Superada a etapa de andar, estimule o peludo a subir em algum local mais alto para que ele entenda que também consegue pular e escalar e claro, recompense com petisco quando ele conseguir.
- Quando ele estiver seguro e confiante, coloque a guia e permita que ele brinque e se mova livremente sem segurar.



Repita várias vezes cada etapa acima antes de passar para o próximo passo, quando você sentir que ele está tranquilo e seguro, segure a guia e acompanhe seu gatinho caminhando junto a ele sem forçá-lo.

Todos estes exercícios de treinamento devem ser realizados passo a passo, sempre dentro de casa, e de passar um ou dois dias entre um “treino” e outro.

Agora que você já conta com todas as ferramentas e informações necessárias e seu gatinho já estará se acostumando com o peitoral, chegou a hora de decidir e responder à pergunta: Passear com meu gato, sim ou não? Caso a sua resposta seja afirmativa, é importante que siga nossas dicas para que o passeio com seu amigo peludo seja seguro, divertido e confortável.

Nosso primeiro passeio!!!

Consideramos que você teve a paciência e a persistência necessárias para deixar seu gato seguro e confiante quanto ao uso de um peitoral. E agora? Dê tempo ao seu gato! Ele precisa antes de tudo de tempo para superar seus próprios medos e barreiras e você deve estimulá-lo a sair aos poucos e andar a distância que for confortável pra ele.



Então não se frustre se ele quiser ir até o elevador e só. Respeite o espaço e o tempo dele e vá aumentando o tempo e a distância gradativamente. Gatos são obcecados pelo controle de seu território e a maioria não consegue relaxar se não conhece o ambiente em questão e não reconhecem os cheiros.

Por isso, na hora do passeio, vá sempre ao mesmo lugar, de preferência no mesmo horário e leve SEMPRE a caixa de transporte e deixe-a aberta e por perto. Se ele ficar inseguro ele terá um local onde se refugiar a hora que quiser.

Fique sempre de olho no comportamento do gato durante o passeio. Ele pode ficar muito assustado ou triste OU muito arteiro e caçador. Ao sinal de qualquer situação de aversão ou pânico, volte para casa imediatamente!!!


Caso ele esteja curtindo o passeio, não tente definir aonde o gato deve ir. Deixe-o cheirar, explorar (fique atenta para que não coma nada estranho) e apenas siga seus movimentos sem forçá-lo. Seja apenas sua companhia humana e curta o passeio junto com ele. Deixe-o ser um gato e aproveite estes momentos que serão únicos e somente de vocês dois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 tipos de enriquecimento ambiental

Há uma boa chance de você já ter ouvido falar em Enriquecimento Ambiental ou Gatificação. Neste caso, você humana sabe que a qualidade de vida de seu peludo melhora muito quando o ambiente em que ele vive é interativo, dinâmico e cheio de desafios (coisas que estimulam os bichinhos física e mentalmente). E sabe porque é tão importante? Porque a vida em cativeiro, apesar de segura e cheia de amor, pode causar efeitos danosos, como depressão, obesidade, apatia. Animais mantidos em cativeiro – como é o caso de gatinhos criados dentro de casa – podem sofrer muito com o estresse causado por estes ambientes, não porque não sejam bem cuidados ou porque lhes falte amor, mas porque eles não conseguem expressar comportamentos típicos da espécie por limitações intrínsecas do espaço onde vivem. Criar um ambiente que se assemelhe à natureza virou assunto inclusive entre especialistas, e hoje há inúmeros trabalhos científicos sobre o tema e já há comprovação científica que o enriqueci

Por que meu gato se comporta como uma mini onça?

GATOS SÃO GATOS... Os gatos já são maioria nos lares em alguns países como Estados Unidos e Alemanha. No Brasil a tendência é similar e há quem diga que em alguns anos haverá mais gatos que cães nos lares brasileiros. E eles são tão populares quanto misteriosos e peculiares em seus comportamentos. Nem tudo se sabe sobre porque fazem o que fazem, mas há um consenso que tudo está ligado aos seus ancestrais selvagens e aos grandes felinos que ainda vivem na natureza. Estudos indicam que nosso amigo gato doméstico se aproximou do ser humano entre 10 a 12 mil anos atrás, atraídos pelas presas encontradas nos campos cultivados pelo homem. A agricultura teve um papel determinante para que homens e gatos se relacionassem e se iniciasse a domesticação. Apesar de nossos queridos peludos terem se adaptado muito bem á vida com os seres humanos, eles ainda carregam no DNA alguns comportamentos que podem até parecer estranhos, mas que estão intimamente ligados à vida na natureza e